quinta-feira, 29 de abril de 2010

197. Comercial inadequado

Nesta semana, começou a veicular um comercial do Renault Sandero 2010, no qual o ator Cauã Reymond surfa no teto do veículo, em movimento, demonstrando o sentimento de liberdade transmitido pelo novo automóvel (o vídeo pode ser assistido em http://www.youtube.com/watch?v=bYNWHUBRuiQ). Apesar de, em determinado momento, a publicidade constar o aviso "Cenas realizadas por profissionais. Não tente isso nas ruas", a mensagem é quase imperceptível. A campanha publicitária, além de incentivar a um comportamento inseguro, ofende a Lei n. 12.006/09, que acrescentou os artigos 77-A a 77-E ao CTB, justamente para obrigar as propagandas da indústria automobilística a veicularem mensagens educativas.

3 comentários:

  1. JURANDIR FERNANDES30 de abril de 2010 13:57

    MINHAS SAUDAÇÕES AO BLOG. PARABÉNS DR. JULYMER.
    FIQUEI ESTARRECIDO AO VER O INFELIZ COMERCIAL DA RENAULT. JÁ HOUVE MUITOS CASOS DE JOVENS FERIDOS QUE SURFARAM SOBRE CARROS.FOI DIFÍCIL ESCLARECER O TREMENDO RISCO DESTA BRINCADEIRA. ESTE COMERCIAL É IRRESPONSÁVEL E POTENCIALIZA ESTA BRINCADEIRA MORTAL. E TUDO ISTO PARA QUE? PARA CARACTERIZAR O VEÍCULO COMO SENDO ESPORTIVO? OU SERÁ QUE A RENAULT PENSA SEUS CLIENTES COMO SENDO TODOS IMBECIS E IRRESPONSÁVEIS? PROPONHO QUE ESTE BLOG ENVIE À RENAULT E AOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O NOSSO REPÚDIO.

    ResponderExcluir
  2. Concordo com você. Hoje em dia, assim como sempre o foi, o estímulo as vendas de automóveis e motos é focado na "adrelanina" que contamina.
    Em meus dias de vendedor, a pergunta primária do consumidor era:"...e aí, quanto corre esta moto?..ou qual é a potência desse carro?...". Sem dúvida, pela cultura que estamos vivendo, se alguém falar que tal moto ou carro corre menos do que a concorrância, não se vende. A segurança deveria vir em primeiro lugar, isto reza as leis. Mas parece que a segurança é de menor prioridade. Abraços

    ResponderExcluir
  3. Eu nunca vi nenhum inconsequente tentando repetir essa "proeza" num carro, mas em vias férreas até era relativamente comum.

    ResponderExcluir